Buscar
  • beatriz437

"A música e o canto coral como instrumentos para o bem estar dos idosos"

A população mundial está envelhecendo. Segundo as estatísticas da Organização das Nações Unidas (ONU), em 1998 havia 66 milhões de pessoas com 80 anos ou mais no planeta. A estimativa da Organização Mundial da Saúde é de que até 2025, teremos 840 milhões de pessoas idosas, o que representa 70% de pessoas na 3ª idade em todo o mundo e o Brasil será o 6º país em número de idosos(1).


Envelhecer é um privilégio que traz consigo muitas mudanças que necessariamente se adaptarão a esta longevidade. Alterações biopsicossoais, que irão interferir nas relações sociais com familiares e outros do convívio no dia a dia; mudanças na forma de perceber sua própria existência em suas manifestações emocionais e uma dinâmica corporal que estabelece novos limites de atuação, assim como patologias que normalmente acompanham o envelhecimento.


Estes fatores podem ser regulados e amenizados quando são proporcionadas atividades saudáveis e altamente agradáveis para o idoso.

Além da formação em Psicologia, atuo há mais de vinte anos como regente e preparador de corais.

Aproximadamente oitenta por cento dos coralistas estão acima de sessenta anos.

Escolhemos um repertório que estabeleça uma identificação com a história de vida do coralista, além de um repertório novo e atualizado, como forma de mantê-los inseridos no contemporâneo. Ambos repertórios são aprovados pela grande maioria dos participantes.


Com o tempo ouvimos muitos relatos de como a música preparada de forma coletiva tem proporcionado uma qualidade de vida melhor com uma expectativa positiva para criação de novos vínculos afetivos e consequente elevação de humor.

Nos últimos anos foi proposto para os coralistas apresentações em Centros de Convivência para idosos, que resultou em benefícios múltiplos tanto para os coralistas como para os ouvintes.

A música levada para idosos institucionalizados, tem trazido ótimos resultados no bem estar e na saúde física e mental dos mesmos, conforme relato dos próprios cuidadores.

Para a Psicofisiologia, a música é percebida por partes do cérebro que ao receberem os estímulos externos na interação com o outro, manifestam emoções, sensações e sentimentos, que a partir da leitura individual, serão responsáveis por alterações comportamentais.


As vivências musicais a partir destas percepções proporcionam maior prazer e sendo compartilhadas, de forma coletiva, como o canto coral, estabelecem um efetivo maior, proporcionando poder terapêutico, integrativo e curador, como atestam as pesquisas científicas na área da Saúde, Ciências Sociais e Educação.

O Canto Coral é minha área de atuação e com base nos estudos acadêmicos e na minhas experiências, faço um apontamento dos principais resultados positivos alcançados no decorrer destes anos:

1. Aprendizagem e estimulação cognitiva

2. Memorização

3. Exteriorização de afetos

4. Regulação dos mecânicos respiratórios

5. Elevação da auto estima

6. Pertencimento

7. Espírito criativo

8. Compromisso e responsabilidade

9. Abertura para novas realidades

Acreditamos na Arte para um viver melhor!

por Celso Jardim,

psicólogo e maestro de coro

REFERÊNCIAS

1. World Health Organization (WHO). Life in the 21st century: a vision for all. The World Health Report. Geneva; 1998. [ Links ]

2.Sacks, O. (2007). A grande orquestra do cérebro. Veja, 2027, 51. [ Links ]

2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

©  2020 Akalanto Longevidade. Desenvolvido por Manual Do Marketing

Rua Cubatão, N 95 - Sala 2, Vila Mariana - SP  |

Tel:  (11) 96770-3624

  • White Facebook Icon
  • Branca Ícone Instagram